Monday, May 24, 2010

Egoísmo como sentido da vida

Dêem-me, por favor, um propósito à vida.

Estou a pedir mesmo a sério. E agora peço-lhes que olhem para a vida sem floreados: Nascemos, vivemos, morremos. Acreditando que não há nada depois da morte, sou só eu que acho que viver para depois morrer acaba sendo a mesma coisa que demorar anos a acabar uma pintura para depois a queimar?
Bare with me for a while. Não digo que a vida não exige esforço. Ou melhor, tecnicamente não exige, mas devemo-nos esforçar um pouco. Porque já que temos que viver, ao menos que o façamos o melhor possível. Que tenhamos o maior prazer possível a cada pincelada, antes de termos que carbonizar a pintura.
E é aqui que eu digo que toda a gente deverá tomar a atitude mais egoísta possível na sua vida. Toda a gente deverá agir de acordo com aquilo que fará a sua vida mais agradável. Ora, quase de certeza muita gente leria isto e diria "Mas assim o mundo entraria em decadência, porque ninguém iria querer saber de ninguém."
Não é bem assim. (But, for the record, o mundo já é decadente e poucas pessoas se importam com quem quer que seja.)
As pessoas não são todas iguais. Falo por mim quando digo que não é preciso tramar toda a gente para ter o que se quer, para ter um dia relativamente bem sucedido. Tantas vezes um simples sorriso me fez ganhar o dia. Ser egoísta não implica aproveitar-se negativamente de alguém. Apenas implica ter como fim máximo a felicidade própria.
E dessa forma o mundo manteria o seu equilíbrio decadente porque existem aquelas pessoas demasiado altruístas que apenas se sentem bem a sacrificar-se para a felicidade comum, e, as mais comuns, pessoas que só se sentem bem com o mal alheio. E ainda aqueles indivíduos todos pelo meio.
Outra coisa a não esquecer é que ser egoísta não implica também ignorar as necessidades dos outros. Eu se tiver um amigo a necessitar de ajuda, e se, podendo ajudá-lo, não o faço, não me sinto bem. E estou a ser egoísta? Na verdade não, porque me perturba, me incomoda, não me traz felicidade. A atitude mais egoísta seria ajudá-lo porque isso me faria sentir melhor.

Fica assim a minha opinião. Se todos fossemos assim egoístas, das duas uma, ou o mundo manter-se-ia num grau aproximado de decadência, ou simplesmente tudo melhoraria. Pessoas que se tornam felizes têm tendência a acumular ainda mais felicidade vendo felicidade alheia.

Egoísmo como propósito único da existência, egoísmo como puro sentido da vida.

Bye, feedback please. I'm not sure if I expressed myself correctly.

Tuesday, May 11, 2010

Arrogância

Começo por dizer o seguinte:
A arrogância não é de todo má. Num rapaz ou homem que tenha razão para a ter, pode ser de certa forma charmosa. Numa rapariga fá-la parecer cabra (não há mesmo outra palavra). Numa mulher, acho que recupera o charme, caso ela tenha mérito para a arrogância.
Fora o aparte, vou procedo à depreciação.

Tenho pouca paciência. Sou bastante calmo, mas paciência nem a tenho muita. Perco-a com facilidade, apenas me sei acalmar rapidamente.
Well, pessoas arrogantes irritam-me, no geral, e por diversas razões. Tenho parte dentro de mim que é arrogante também. Talvez a única parte de mim que ainda aceita e tolera elogios, já que todo o meu resto sofre de auto estima miserável. De qualquer das formas, é uma parte que habitualmente não se manifesta, e quando o quer, eu afasto. No entanto, pessoas arrogantes "picam" essa minha parte arrogante.
Pessoas arrogantes com o mérito para o serem, recalcam ainda mais a minha arrogância própria. Ou seja, fazem-me sentir ainda mais miserável que o costume.
Pessoas arrogantes com pouco ou nenhum mérito, quase forçam a minha parte recalcada a sobressair. De certa forma, fazem com que me apeteça usar o máximo dos meus argumentos para provar sem sombra de qualquer indescritível dúvida que sou melhor que eles, nalgum ou simplesmente em todos os aspectos do seu carácter individual. E o pior? O pior é que me sinto mal por achar momentaneamente que sou superior a essas pessoas. Quando a maioria das vezes o sou mesmo.


Há quem diga que a arrogância é simplesmente uma defesa contra a tortura da sociedade em geral. Que porra de defesa mais irracional. Eu, que já ando só e abandonado, decido tornar-me arrogante para afastar ainda mais as poucas pessoas que decidam tentar uma qualquer ligação a mim. Onde está o sentido nisso?
Depois há aquelas pessoas aparentemente inofensivas quando não estão no seu elemento ou simplesmente estão mais abertas ao mundo exterior. Quando voltam à sua zona confortável ou ao aconchego da clausura psicológica, a arrogância ataca. De formas tão intensas que chega a provocar repulsa. Se se acham tão inteligentes, usem a racionalidade então para controlar a pseudo revolta e não usar arrogância escusada para se defenderem.
Acho ainda que toda a gente fica mais interessante com um pingo de humildade bem colocado. Ou simplesmente encharcado desta.

Humildade e resignação. E não esquecer que maior parte das vezes um sorriso superioriza mais um ser humano do que milhares de argumentos erróneos, desesperados e repletos de arrogância injustificada.



Conheço algumas pessoas que se divertiriam a contrariar-me na totalidade deste post. E provavelmente se divertirão.

Cya